Sonhos Reais ou Realidade em Sonhos



Sonhar é preciso, só não vivo de sonhos. Na obscuridade onírica eu vejo uma vida ainda não vivida, vejo passado nas minhas lembranças, brinco e posso brindar a fantasias, ter gente que não mais posso tocar, é tudo tão bom.

No imaginário mora a alegria e a dor é leve. Nos sonhos redesenho a vida, faço curvas para desviar caminhos e chegar mais rápido à frente de tudo, do meu jeito, do jeito da minha ilusão. Em sonhos eu pulo degraus e eu sei que isso é mau, mas eu não me importo, é tudo ilusão.

Na minha realidade, quando vem a dor, logo penso em desistir, mas não é mais sonho, não posso parar. Isso é mais que normal.
Aqui fora, eu sinto a queda, eu sinto a lágrima, eu toco a decepção, é tudo tão mau, é tudo normal. Eu subo escadas, e não pulo degraus, pois eu sei que encurtar o caminho não vai adiantar, sempre vai existir um novo degrau, se eu vou querer subir, isso é outra historia.
Há dias em que tudo parece invertido, os sonhos parecem reais, enquanto a realidade, de tão complicada que é, parece um sonho impossível. A covardia, natural do homem, tende a querer se meter e me manter dormindo, mas a ousadia sempre vence, sempre me surpreende, ela me tira das sombras e é cordado que sou capaz de realizar o que o sobrenatural não explica, naturalmente não explica.
Existe um Mestre, eu O sinto, o Mestre dos Sonhos Reais, que me auxilia. Ele me toma em sonho para fazer-me realidade. Ora, quero continuar acordado, vencendo, construindo, consertando e construindo uma historia real, uma difícil realidade. Não quero viver de aparências, não quero fingir ser outro. E se eu conquistar alguns, que sejam aqueles que me conhecendo, não me peçam para viver um sonho.
Salatiel Gualter

Portas e Oportunidades



Aprendi que portas não se abrem ao vento, não se mostram à nossa frente a nos convidar.
Em verdade, elas estão fechadas. Transponíveis? Sim, porém fechadas.
Em algum lugar, em algum momento, sempre oportuno.
Enquanto isso caminhamos, e neste caminho encontramos oportunidades, agarramos as certas.
Quando a oportunidade não se mostra, se mostra a audácia e a coragem.
Descobrimos, então, que é o tão esperando momento. A grande descoberta.
Agora trabalhe em cima dessa oportunidade. Trabalhe incansavelmente, enquanto houver forças, enquanto houver juventude. Pois nunca se é velho demais para brincar, mas é certo que um dia será velho demais para o trabalho. O tempo passa rápido e com os anos se vai, também, a vitalidade. Não convém desperdiçar esse tempo. Existem outras prioridades, existe toda uma vida.



Ao chegar à porta e abri-la, saiba que este não é o momento de Glória, e sim o começo de uma longa jornada. Agora é com você, cresça, construa...

Grandes responsabilidades nos esperam, depois da Porta.
Salatiel Gualter

Artista Orfão



Como um órfão deixado para encarar medos e decepções, vida e morte, aprendi a lidar com meus medos enquanto encarei os demônios da vida que me rodearam em meio ao desespero de estar cada dia mais morto. No caminho encontrei a arte e a ousadia, que se tornaram o meu maior tesouro. A arte me apareceu com seus desafios impossíveis, enquanto a ousadia me encorajava a resolvê-los.
Essa parceria me presenteou com a verdadeira experiência de mundo real.

Ser artista é ter um pensamento livre. Livre de axiomas e ideologias infundadas. Ter arte é ser vivo e ver a dinâmica da vida por lentes límpida ou seria enxergar por diferentes perspectivas. É disso que sou composto e é por isso que me sinto inteiro. Talvez seja o típico olhar artístico que me mantém alerta para reconhecer o verdadeiro significado da existência desse insignificante ser cuspido na larva quente e viva, viva e tão cálida que muitos desses seres, por não querer enxergar, se vão antes mesmo de existir, de fato.
Salatiel Gualter

Por que a crítica?



Por que a crítica? Porque sempre é possível melhorar algo criticado. Claro que é bem mais fácil exaltar, pois do elogio não nasce má impressão, o elogio não excita o ódio e faz sorrir a quem recebe.
Eu, no entanto, prefiro a crítica, mesmo a crítica em silencio. Prefiro a censura calada, em vez do enaltecimento de falsas palavras, sempre muitas palavras. Prefiro a crítica em silencio e o olhar de desaprovação verdadeiro tomando o lugar de um falso elogio, pois essas palavras nunca ditas é que gritam aos ouvidos do bom ouvinte.
Na crítica eu me viro, eu me reviro, eu me refaço em busca do melhor desse mundo, desse mundo alto falante. Para mim, qualquer expressão de silêncio que seja autentica, já é uma boa forma de contar alguma verdade.
É no silêncio que eu vejo a exatidão em caráter, propriamente dita, do que seja verdade, a verdadeira verdade oculta que brilha na obscuridade das sombrias palavras.
Salatiel Gualter